MMF #10 → Todos os roteadores tem a mesma funcionalidade?

Na última publicação da série, vamos falar sobre roteadores e suas diferenças.

No post anterior, falamos sobre como não é viável usar repetidores, que o ideal é ter mais de um ponto na sua casa, principalmente se você morar em um espaço grande. Tenha um roteador que fique próximo dos quartos, por exemplo, e um outro que fique no quintal/churrasqueira, assim o sinal fica melhor, e você pode se conectar onde o wi-fi estiver mais forte. Alguns roteadores tem a inteligência de conectar seu dispositivo automaticamente ao sinal que está melhor, porém a maioria não é assim. O que recomendamos é que, nas configurações, você diminua a potência do wi-fi de ambos, para que fiquem em áreas menores, impedindo que um atrapalhe o sinal do outro. Outra dica é nomear suas redes, por exemplo: ‘churrasqueira’, ‘quarto do computador’, ‘sala de estar’, pois, caso permaneçam com os nomes padrões, ou nomes iguais para dois roteadores, você não saberá qual rede está mais próxima para você se conectar.

Dicas de melhor usabilidade para seus dispositivos
  • Computadores
    Seguindo a linha dos consoles de videogame, normalmente se utiliza o PC para jogos online, streaming de vídeos, transmissão de partidas de jogos online, assistir IPTV e etc (além, é claro, do uso comum em redes sociais, portais de notícias e etc). Devido a esses fatores, se torna muito necessária a utilização do cabo para manter a estabilidade e qualidade do sinal utilizado. E sobre adaptadores USB Wi-fi? Nossa opinião mais sincera: jogue fora, porque só trazem problemas. Computador deve ser usado sempre no cabo!
  • Notebooks
    São um caso complicado. Embora tenham a praticidade de serem utilizados via wi-fi, eles estão condicionados às mesmas situações dos outros dispositivos, podendo sofrer interferência e diminuindo o desempenho da conexão, principalmente se forem acessar conteúdos com exigem alto consumo (como já foi citado anteriormente). Enfim, uma forma mista pode ser a solução: utilizar no cabo quando for acessar conteúdos mais pesados e via wi-fi para acessos mais leves.
  • Receptores IPTV
    Os sistemas de IPTV basicamente usam uma URL configurada nos dispositivos e apps, para acesso ao conteúdo dos canais via streaming, e justamente por isso, necessitam de uma conexão estável para funcionar melhor. Porém, só estar conectado ao cabo não é solução para esse caso. Como são serviços irregulares e não regulamentados, que distribuem via internet os canais captados das operadoras de TV por assinatura, o serviço fica suscetível à estabilidade desses servidores clandestinos. Como é impossível ter ideia da eficiência e qualidade desses servidores, não dá pra garantir que haverá uma qualidade nesse tipo de acesso, principalmente se forem listas IPTV gratuitas.
  • Receptores de “Skygato” (Card Sharing)
    Diferentemente dos sistemas de IPTV, o serviço de “skygato” utiliza uma forma mista de distribuição. Uma antena é instalada para captar os canais, e no receptor é configurado o que chamamos de CS (Card Sharing), que utiliza o acesso à internet para se conectar com um servidor somente para coletar os códigos de desbloqueio dos canais, ou seja, praticamente não exige consumo de banda nenhum. Esses sistemas, tanto no cabo como no wi-fi, devem funcionar adequadamente, porém, sempre usem cabo, por via das dúvidas. Mesmo que a forma de entrega seja diferente, isso não quer dizer que é algo legal, pelo contrário, continua sendo ilegal e irregular, portanto não é possível garantir conexão perfeita, já que depende da conexão com um servidor clandestino para desbloquear os canais.
  • DVR e Câmeras IP
    Novamente, temos dispositivos que irão transmitir vídeo (muitas vezes em HD ou FullHD). Se esse acesso for local, ou seja, na mesma rede LAN, não teremos problema com a internet. Se for no wi-fi, provavelmente terá perda, então o ideal é usar sempre no cabo. Se o acesso for externo, via WAN, é importante ter uma conexão estável entre os equipamentos, reforçando a necessidade de cabo. Para o acesso via WAN (externo), lembrem-se que é necessário um IP Público (Válido) para acessar e ter os redirecionamentos de porta devidamente feitos. O DVR deve estar com IP fixo. Pode-se também utilizar um DDNS para acesso, evitando a necessidade de um IP Fixo na WAN do cliente.

E aí, ficou com alguma dúvida?

Acho que ficou claro que o Wi-Fi não é só conectar e usar, né? A combinação de Internet com Wi-Fi pode ser uma bomba se tudo isso que falamos acima não for bem verificado e bem configurado. Em resumo, para o Wi-Fi funcionar com um desempenho aceitável, temos que seguir alguns passos, vamos recapitular:

• Primeiro, escolha um bom roteador, que tenha as especificações técnicas para atender suas necessidades;

• Posicione o roteador de maneira a ficar em um ponto central da sua residência; se necessário, coloque mais de um roteador e lembre-se de interligá-los via cabo;

• Utilize as configurações adequadas para uso de acordo com os dispositivos que você utiliza: veja se há compatibilidade entre as configurações que o roteador e seus equipamentos irão utilizar;

• Procure conectar via cabo tudo que for possível; caso use o wi-fi, não se afaste muito do roteador, pois isso irá afetar o desempenho.

• Nunca se esqueça que o Wi-Fi e a internet são coisas independentes. Você pode ter internet sem ter wi-fi, mas não pode ter wi-fi sem ter internet, pois o wi-fi só distribui a internet por meio do ar.

Se seguir nossas dicas com atenção, certamente você conseguirá utilizar o wi-fi com uma melhor estabilidade. Porém, nunca se esqueça, o Wi-Fi é prático pela mobilidade que ele oferece, mas isso tem um preço, que é a segurança, estabilidade e qualidade do sinal transmitido. Ou seja, mesmo que tudo isso esteja perfeito, é transmitido pelo ar e ainda corre risco de oscilar. Portanto, utilize o cabo em todos os equipamentos que puder, para aproveitar melhor a velocidade contratada.